SINOP, MT 20 de setembro de 2020

Já ouviu falar sobre o vírus Zika?

Já ouviu falar sobre o vírus Zika?
17/06 2015 16:04 Fonte: LORRANA CARVALHO Assessoria/SES Imprimir

Pouco conhecida, a febre pelo vírus Zika começa a se espalhar pelo país. Embora ainda não tenha confirmações sobre a circulação do vírus em Mato Grosso, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) orienta população e profissionais da área sobre os cuidados e medidas preventivas que devem ser tomados no caso de suspeita da doença.

De acordo com a coordenadoria de Vigilância Epidemiológica, da SES, a Zika faz parte de doenças que apresentam como sintoma alguns tipos de manifestações cutâneas e seu diagnóstico é feito excluindo doenças como dengue, febre chikungunya, rubéola, sarampo e outras exantemáticas. “Por ser uma doença nova o protocolo de manejo, vigilância, prevenção e controle está em fase de finalização pelo Ministério da Saúde. No momento estamos orientando os profissionais a adotarem as recomendações de controle e manejo da dengue, por ser transmitido pelo mesmo vetor e os sintomas serem parecidos”, esclareceu a coordenadora Flávia Guimarães.

Segunda ela, a adoção dessas medidas é importante no diagnóstico e manejo da doença, pois a dengue possui características que podem evoluir para gravidade, podendo levar o paciente a morte. Já a zika é considerada uma doença benigna e autolimitada, com período de incubação de 2 a 7 dias.

A zika é uma doença causada por um vírus do gênero Flavivírus transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que também transmite a dengue e a febre chikungunya. A infecção pelo vírus zika provoca febre baixa, hiperemia conjuntival (olhos vermelhos) sem secreção e sem coceira, artralgia (dores em articulação) e exantema maculo-papular (erupção cutânea com pontos brancos ou vermelhos), dores musculares, dor de cabeça e dor nas costas. De acordo com o Ministério da Saúde, apenas 18% das pessoas apresentarão manifestações clínicas da doença.

Não existe tratamento específico nem vacina disponível para prevenir a infecção por esse vírus. Assim como nos casos de dengue e chikungunya, o tratamento é sintomático com medicações para dor e febre, conforme orientação médica. Não é indicado o uso de ácido acetilsalicílico e drogas anti-inflamatórias devido ao risco aumentado de complicações hemorrágicas, como ocorre com a dengue. Orienta-se procurar o serviço de saúde para orientação adequada.

Cuidados

As medidas de prevenção e controle que devem ser tomadas são semelhantes às da dengue e chikungunya. É preciso manter residências e quintais sempre limpos, eliminando os possíveis criadouros do mosquito. Mantenha a caixa d’água está fechada de forma adequada; não acumule vasilhames, lixos e embalagens no quintal; verifique se as calhas não estão entupidas; e coloque areia nos pratos dos vasos de planta.