SINOP, MT 23 de junho de 2018

MISSÃO EMPRESARIAL: Prefeitura busca investidores irlandeses para produtos sinopenses

Prefeitura busca investidores irlandeses para produtos sinopenses

MISSÃO EMPRESARIAL: Prefeitura busca investidores irlandeses para produtos sinopenses
23/01 2018 18:12 Fonte: Luciano André Fonte: Assessoria da Prefeitura Imprimir

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SEDEC) recebeu, esta semana, uma missão empresarial de potenciais investidores da Irlanda. São empresários que possuem contatos dos principais supermercados irlandeses que buscam colocar nas prateleiras os anseios e as necessidades de consumo dos europeus. O objetivo é detectar a fonte fornecedora desses produtos, comprar e ajudar empresários do Brasil a exportarem. 

Segundo Raymond Thornton e seu filho Andrew Thornton, empresários dessa comitiva, o foco principal é buscar pequenos agricultores que têm produtos naturais, direto da terra para oferecer e, assim, proporcionar-lhes oportunidades de negócios, já quase não são vistos pelas grandes trades. “Nós detectamos uma demanda muito crescente na Europa que é a preocupação das pessoas com a saúde. Eles querem produtos mais naturais, que tenham mais frutas, exatamente como essa barra de cereal que estamos conhecendo”, ilustrou Thornton referindo-se à bananada em barra que lhes foi apresentado na indústria Bianchi Alimentos, uma empresa genuinamente sinopense.

Sinop já mantém relações comerciais com a Irlanda, no entanto,  ainda tímidas e sem relacionar produtos da fruticultura. Somente no acumulado de janeiro a dezembro de 2017 o município exportou ao país o equivalente a US$ 11,3 milhões (US$ 11.337.461) em diferentes produtos. Contudo, a participação irlandesa, na soma global de negócios fechados, representa menos de 2% (1,76%) de todo o montante vendido por Sinop ao mercado internacional, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). 

Outro ponto salientado pelo irlandês é a procura de frutas in natura ou já processadas em forma de polpa, por exemplo. Ele explica que junto com o filho, na Irlanda, possui uma fazenda de plantação de batatas que são utilizadas para a fabricação de vodka. “Queremos associar as frutas tropicais que o Brasil tem à nossa vodka que produzimos”.

Rafael Bianchi, o empresário que os recebeu em Sinop e que planta 160 hectares de banana e 06 hectares de goiaba, mostrou-se bastante animado com a possibilidade de comercialização de seus produtos fora do Brasil. Ele revela que, durante a visita, foi contado um pouco da história de como começaram plantando banana e depois como foi o processo de industrialização do produto.

“Foi apresentado, a eles, os produtos que a gente tem como bananada com açúcar, bananada sem açúcar, doce de goiaba, doce de banana e a nossa tradicional bala de banana”, disse ao revelar que, para a sua empresa, faltam poucas adequações para o processo de exportação: “a adequação é mais da embalagem, rotulagem, essas coisas. Com relação ao produto não! Temos produto de boa qualidade”.

Biachi também foi bastante enfático ao avaliar a iniciativa da Prefeitura em buscar investidores estrangeiros para os produtos sinopenses. “Um  belo trabalho que a Prefeitura vem fazendo com a gente, trazendo empresários de fora em busca de novos produtos. Sem dúvida que estão abrindo uma porta. A Prefeitura estimula a gente a investir, a produzir, a gerar emprego, mesmo com a dificuldade em que estamos passando hoje. Isso é muito importante para as nossas empresas e para o município também”.

Os empresários, que vieram à convite da SEDEC e capitaneados por Peter O’Nail, que trabalha com uma business network, receberam informações, principalmente, de peso das embalagens dos produtos e como podem ser escoados. Uma das alternativas aos empresários mato-grossenses é acessar o mercado europeu por meio dos portos do Arco Norte [Amazonas, Amapá, Pará e Maranhão] com a produção saindo do Estado via BR-163.

Peter, Raymond e Andrew conheceram, ainda, produtos da terra como a castanha do Brasil e o guaraná. Como lazer e descontração, fizeram um tour pelo município, foram até o acqua parque Curupy e ao parque florestal onde se encantaram com os macacos, tracajás, jacaré e elogiaram a parceria com a Universidade Federal em catalogar todas as árvores nativas que compõem a reserva.

Fechando a visita eles fizeram uma visita técnica para conhecer a Embrapa Agrossilvipastoril e os trabalhos e pesquisas científicas em cima de cultivares regionais. Levaram na bagagem um folder e um documentários mostrando as várias outras potencialidades do município e a certeza de negócios e futuras relações comerciais como empresários locais.