SINOP, MT 16 de agosto de 2017

Prefeitura discute ampliação de parceria para o projeto “Luz do Amanhã”

A cessão de um prédio da administração e o convênio para o Executivo auxiliar nos gastos com alimentação foram solicitados pelo projeto

Prefeitura discute ampliação de parceria para o projeto “Luz do Amanhã”
06/04 2017 23:52 Fonte: Fonte: Assessoria da Prefeitura - Kleverson Souza Imprimir

A prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PR), discutiu nesta quarta-feira (05), a ampliação da parceria para o projeto “Luz do Amanhã”, desenvolvido pela Associação Comunitária de Orientação e Aprendizagem ao Adolescente de Sinop (ACOAS), 3° Batalhão da Polícia Militar e entidades.

A solicitação foi para que a Prefeitura de Sinop ceda um prédio da administração municipal para serem ministradas as aulas do projeto e a realização de um convênio para o Poder Executivo auxiliar nos gastos com alimentação. Rosana Martinelli também sugeriu na oportunidade, que uma parceria feita entre o Poder Executivo e o Senai seja aproveitada no “Luz do Amanhã”, a oferta de cursos profissionalizantes para os adolescentes.

“O projeto Luz do Amanhã é fantástico. É fundamental trabalhar com as nossas crianças e adolescentes na base educacional. Atualmente a Prefeitura ajuda no transporte dos adolescentes. Apresentamos algumas opções de espaço da Prefeitura para os condutores do projeto avaliarem e nós vamos conversar com a Secretaria de Educação, Esporte e Cultura para a realização do convênio que também foi pedido. Precisamos de contra turno escolar para tirarmos as crianças das ruas e o projeto faz isso muito bem”, afirmou a prefeita Rosana Martinelli.

A reunião foi intermediada pela vereadora e líder da prefeita na Câmara Municipal, professora Branca (PR). Durante o encontro, a prefeita lembrou que a junção das secretarias de Educação, Esporte e Cultura aconteceu justamente para se ter trabalhos interligados entre as áreas. “Para termos mais atividades esportivas e culturais para as nossas crianças e adolescentes, para que tenham atividades no contra turno escolar,queremos ocupar os espaços públicos, as quadras esportivas, proporcionando atividades”, explicou.

O projeto atende 140 adolescentes dos 12 até 17 anos no contra turno escolar para receber orientações pedagógicas, palestras sobre civismo. As aulas são ministradas no Batalhão da Polícia Militar e a base do projeto é o plantio e cultivo de hortaliças.

“O projeto começou em 2015, já temos a primeira turma que formou no curso básico no ano passado e neste ano temos nova turma. Para este ano, estão fazendo curso de auxiliar administrativo e posteriormente curso de informática 2, já os que iniciam agora terão o curso básico. A mudança de comportamento do adolescente é notória, de acordo com o depoimento dos pais. E começa por aí a mudança na escola também, pois o aproveitamento escolar é melhor”, comentou Jeth Jeanne Martins Araújo, presidente da Acoas.

Sobre a possibilidade de ofertar cursos profissionalizantes, Jeth Jeanne avaliou positivamente. “Seria de grande valia porque esses meninos que já fizeram cursos básicos, teríamos que inseri-los em outros cursos, e sendo cursos profissionalizantes, será melhor ainda”, analisou.

 

De acordo com o capitão da PM, Manoel Fernandes Dantas, o projeto é uma proposta da instituição policial militar para o município, que vem desenvolvendo em parceria com o segmento organizado e poderes constituídos.

“Estamos buscando parceria para que o município possa nos auxiliar nos dando subsídio no sentido de criar um espaço onde possamos montar uma estrutura para uma associação que gestiona o projeto e estar fomentando um recurso para subsidiar financeiro para o custeio de alimentação e aquisição de uniformes. Seria proporcionar melhor comodidade, hoje o espaço onde ministramos as aulas não é propício. Teríamos maior estrutura organizacional e com maior fundamentação para cultivo das hortaliças”, disse.

Com a mudança de local, poderia ser ampliado a oferta aos adolescentes da rede pública de ensino. “Temos aproximadamente 680 adolescentes cadastro de reserva, não absorvemos mais alunos por conta da estrutura física e financeira que ainda não temos e por isso a busca da parceria com a prefeita e sinalização bastante positiva que foi nos dada nessa reunião. Podemos chegar a 300 alunos atendidos e assistidos no projeto, assim que efetivar esse convênio e a cessão desse espaço” completou o militar.

Juiz da 2ª vara do trabalho, Angelo Cestari, disse que a Justiça do Trabalho também é parceira do projeto porque é importante que o jovem esteja estudando e receba um complemento na sua educação através de instituições como o “Luz do Amanhã” faz.

“Saímos daqui otimistas, a prefeita disponibilizou algumas áreas para serem visitadas para que possamos ver se é possível a destinação dela ou não e também sinalizou positivamente no convênio para que nos auxilie nas despesas da entidade”.