SINOP, MT 08 de agosto de 2020

Hospitais cobram repasses atrasados e ameaçam suspender atendimento

Hospitais cobram repasses atrasados e ameaçam suspender atendimento
07/10 2016 15:14 Fonte: RD News Imprimir

Vários hospitais públicos em Mato Grosso estão com repasses do Governo atrasados e, alguns, já ameaçam com a suspensão do atendimento, caso a situação não seja normalizada. 

Os problemas começaram em agosto e, desde então, várias reuniões individuais têm sido realizadas com os gestores das unidades e representantes do Governo na área de Saúde.

Na tarde desta quinta (06), o próprio governador Pedro Taques, acompanhado pelo secretário estadual de Saúde, João Batista Pereira da Silva, recebeu secretários municipais de Saúde de diversos municípios para discutir alternativas buscando o enfrentamento da situação. Mais uma vez, o governador apresentou a situação financeira crítica do Estado para afirmar aos secretários que o atraso nos repasses “não é falta de vontade “, disse o governador.

Taques fez um apelo aos municípios para que dêem as mãos ao Governo para a superação das dificuldades. A situação é tensa. No final da tarde, o Governo emitiu nota para tentar sensibilizar os gestores públicos de que o “Estado enfrenta uma das piores crises de sua história, o que obriga o governo tomar medidas, a exemplo o decreto 694/2016, que reduzam despesas de custeio sem o comprometimento da efetividade, eficiência e eficácia da prestação de serviço público”.

Quanto aos repasses dos hospitais, nada ficou definido, mas o Governo informa que está tomando todas as medidas necessárias para a quitação dos valores pendentes. “Ressaltamos que enfrentamos um difícil momento econômico e o Estado tem sentido o reflexo da crise, porém nossos esforços são para mantermos nossos compromissos em dia sem o comprometimento dos serviços oferecidos a população. Salientamos que, ainda não fomos notificados acerca da paralisação de nenhum dos Hospitais Regionais e que estamos trabalhando com todos os esforços para que os pagamentos em atraso possam ser quitados nos próximos dias”, diz trecho da nota do Executivo.

Os hospitais que estão com dificuldade para garantir o atendimento à população são das cidades de Barra do Bugres, Colíder, Alta Floresta, Pontes e Lacerda, Cáceres, Juína, Água Boa, Confresa, Diamantino, Peixoto do Azevedo, Rondonópolis, Barra do Garças, São Félix e Sorriso.