SINOP, MT 08 de agosto de 2020

Mais de uma pessoa por dia descobre ter vírus HIV positivo em Mato Grosso

Dados são da SES-MT e fazem referência aos casos notificados em 2015. Até março deste ano, 70 pessoas foram diagnosticadas com HIV positivo.

Mais de uma pessoa por dia descobre ter vírus HIV positivo em Mato Grosso
18/07 2016 14:43 Fonte: Do G1 Imprimir

Em 2015, mais de uma pessoa por dia foi notificada com vírus HIV positivo em Mato Grosso. Os dados são da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e foram divulgados nesta quinta-feira (13). Segundo o levantamento do órgão, naquele ano, a taxa de pessoas diagnosticadas com o vírus foi de 1,4 por dia. Em relação a 2016, os dados apontam que, até março, 70 pessoas foram infectadas pelo vírus HIV.

Nos últimos três anos, o número de infectados aumentou quase seis vezes em todo o estado. Ao todo, 530 pessoas foram notificadas com o vírus em 2015 - o ano com maior número de infecções nesse período. Em 2014, foram 333 notificações. Já em 2013, o ano com menor número de infectados, 93 casos foram registrados em Mato Grosso.

Segundo o infectologista Ivens Scaff, os dados estatísticos refletem a realidade do estado. "O dia a dia está em concordância com os números. Nos últimos dois meses, eu já atendi quatro novos casos de pacientes com HIV", relatou.

De acordo com o médico, o maior número de pacientes portadores do vírus em Mato Grosso é de homossexuais entre 35 e 45 anos. No entanto, o número não é uma prerrogativa para o preconceito, segundo Scaff. "Esse é o perfil com maior incidência, porém, casos em pessoas heterossexuais também são registrados", ponderou.

Aids
Em contraponto, o número de pacientes que morreram com Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) apresentou queda em relação aos últimos anos. No ano passado, 188 pacientes morreram por causa da doença. Em 2014, o número de óbitos pela doença foi de 209 pessoas. Já nos três primeiros meses deste ano, 22 pessoas já morreram com a doença.

As pessoas notificadas com o vírus HIV não necessariamente já desenvolveram Aids. O vírus evolui e destroi determinados glóbulos brancos, o que deixa o doente à mercê de infecções denominadas oportunistas (como a tuberculose, a pneumocistose e a toxoplasmose).

A doença pode ser transmitida por via sexual, sanguínea ou materno-filial durante a gravidez ou a lactação.

Os casos confirmados de Aids em Mato Grosso também diminuíram. Até março deste ano, 49 pessoas já foram diagnosticadas com a doença. Em 2015, os casos confirmados da doença foram 26,09% menor que os registrados em 2014, quando 774 pessoas foram diagnosticadas com a doença.

A queda, segundo Ivens Scaff, reflete a qualidade do tratamento contra a doença. Segundo ele, o tratamento precoce aliado à força de vontade em seguir com a medicação, traz qualidade de vida aos pacientes."Eu costumo dizer aos pacientes que ainda não falamos em cura para a Aids, mas podemos garantir saúde e qualidade de vida", disse Scaff.