SINOP, MT 15 de dezembro de 2018

Quase 700 mil pessoas em MT devem ser vacinadas contra o H1N1

No estado, SES contabiliza 689.212 pessoas em grupos prioritários. Estado já recebeu 25% das vacinas para a campanha de imunização

Quase 700 mil pessoas em MT devem ser vacinadas contra o H1N1
15/04 2016 14:35 Fonte: Do G1 Imprimir

Quase 700 mil pessoas em Mato Grosso deverão ser vacinadas contra o vírus da gripe H1N1 a partir do dia 30 de abril, durante a campanha de imunização. De acordo com a Secretaria estadual de Saúde (SES), o contingente se refere às pessoas com perfis incluídos nos chamados grupos prioritários.

Nos cálculos da SES, exatamente 689.212 pessoas se enquadram nesses grupos: idosos, crianças de seis meses a menos de cinco anos, gestantes, puérperas, profissionais de saúde, indígenas, pessoas com co-morbidades, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Para imunizar a população, o estado está recebendo doses de vacinas tetravalentes providas pelo Ministério da Saúde. Até o momento, já estão no estado 25% do total para o cumprimento da meta de imunização nas 16 áreas regionais do estado. O restante deverá ser remetido gradativamente pelo governo federal até o dia do início da campanha.

Até lá, segundo a SES, a distribuição deverá ser feita de forma que cada município já detenha ao menos 45% das doses necessárias para atingir sua meta de vacinação. O primeiro lote foi distribuído de forma que os municípios tivessem pelo menos 25% do suficiente para as respectivas metas.

A data de início da campanha – 30 de abril – foi estabelecida como o Dia D de vacinação, com maior mobilização. A campanha se estende até o dia 20 de maio.

Todos aqueles que se enquadram nos grupos prioritários para imunização devem procurar algum dos 815 postos de vacinação do estado com documentos pessoais e carteira de vacinação.

Conforme balanço da SES, o estado já teve a confirmação de três óbitos ocorridos por decorrência de síndorme respiratória aguda grave causada pelo vírus H1N1. Outros nove casos ainda estão em investigação: em relação a eles, a SES ainda precisa averiguar se têm relação com o vírus H1N1.