SINOP, MT 08 de agosto de 2020

Pronto atendimento psiquiátrico é discutido em reunião

 Pronto atendimento psiquiátrico é discutido em reunião
05/02 2016 15:08 Fonte: Luciana Cury | Gcom-MT Imprimir

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) pretende implantar em Cuiabá um pronto atendimento psiquiátrico em 90 dias. A unidade prevista será voltada exclusivamente para atender serviços de emergências psiquiátricas, como pacientes em surto ou crise. O prazo de implantação foi apresentado durante reunião realizada na manhã desta quinta-feira (04.02) entre o governador Pedro Taques, secretário de Estado de Saúde, Eduardo Bermudez, funcionários do Centro Integrado de Assistência Psicossocial (CIAPS) Adauto Botelho, o procurador-geral de Justiça Paulo Prado.

No encontro, realizado no Palácio Paiaguás, foram apresentados os principais problemas enfrentados pelos profissionais que atuam na saúde mental da rede pública. Entre eles estavam a necessidade de reforma do Adauto Botelho e a melhoria no estoque de medicamentos da unidade. 

Preocupado com as condições do Centro Integrado o governador Pedro Taques determinou que a equipe da SES promova melhorias na unidade. Sobre esse ponto, o secretário adjunto de Serviços de Saúde, Werley Peres, adiantou que “a medicação já começou a chegar na secretaria e que a pasta está aderindo a uma ata para reformar e adequar a unidade, visando prepará-la para servir de pronto atendimento psiquiátrico”. Ainda de acordo com o secretário adjunto, o Governo do Estado irá buscar uma parceria com o Hospital Universitário Julio Muller, para que seja criado um ala na unidade hospitalar, que possa atender pacientes em transtorno mental, sejam eles de dependência química ou não.

Aproveitando a reunião com o governador Pedro Taques, o grupo de funcionários do Adauto Botelho entregou uma proposta, sugerindo que o Governo do Estado promova uma parceria com a prefeitura de Cuiabá, na qual possa tornar algumas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Cuiabá aptas a se tornarem pontos de atendimentos de emergências psiquiátricas.

Para o procurador-geral de Justiça, Paulo Prado, e o promotor Alexandre Guedes, o fato do governador abrir espaço para discutir as condições da saúde mental em Mato Grosso demonstra que a administração não está fechando os olhos quanto o problema que vem sendo deixado de lado há anos. “Vimos que há alguém que deseja de forma objetiva enfrentar a situação”, comentou Paulo Prado.

MPE

O MPE entrou com duas medidas de Ação Civil Pública em relação ao Adauto Botelho. Uma é voltada para reforma do prédio, e a outra solicitando que o Governo do Estado reabra o pronto atendimento em saúde mental, que existia até em 2012.