SINOP, MT 05 de agosto de 2020

Médicos peritos do INSS estão em greve há 4 meses em Mato Grosso

INSS diz que tempo de espera de agendamento passou de 20 para 80 dias. Médicos peritos não estão trabalhando desde setembro do ano passado.

Médicos peritos do INSS estão em greve há 4 meses em Mato Grosso
06/01 2016 16:19 Fonte: Do G1 Imprimir

A greve dos médicos peritos das unidades do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) em Mato Grosso já chega ao quarto mês de duração. Os servidores do INSS ficaram em greve por mais de 80 dias no ano passado, no entanto, apenas os médicos não encerraram o movimento. Dessa forma, os trabalhadores não conseguem comprovar a necessidade de receber o benefício.

Em casos de doença ou acidentes de trabalho, os afastamentos precisam ser acompanhados pelo recebimento dos direitos. Em nota, o INSS informou à TV Centro América que a categoria não aceitou a proposta e por isso o atendimento não foi regularizado. Informou também que o tempo médio de espera para agendar uma perícia passou de 20 para 80 dias.

O instituto declarou que reconhece as dificuldades e 'conclama' que os servidores retomem as atividades. O telefone para informações e reagendamentos no INSS é o 135. A greve dos servidores do INSS durou 83 dias entre julho e setembro de 2015. Em setembro os médicos peritos continuaram a greve por não aceitarem a proposta feita na época.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Seguridade, Trabalho e Previdência Social (Sindsprev-MT), Cleones Celestino Batista, o concurso anunciado no país não oferece vagas para médicos peritos em Mato Grosso. São 950 no total, entre os cargos de técnico do seguro social e analista de seguro social.

“[Em] Mato Grosso nós precisaríamos de, no mínimo, 200 servidores. Tendo em vista o número de faltas e uma grande parcela de servidores que vão aposentar. Hoje temos esse concurso público que infelizmente são apenas 11 vagas para gerência em Cuiabá, onde temos 25 agências da previdência social, e 15 vagas para gerência de Sinop onde existem 12 agências. É um número muito insignificante”, declarou à TVCA.

Cleones explica que não existem mais filas nas agências, já que tudo é agendado pelo sistema. E mesmo que os trabalhadores consigam agendar, não têm a garantia de que serão atendidos. “Hoje, o que acontece no INSS: muitas vezes, a população, passa na frente do posto do INSS e fala que não tem fila. O governo colocou a fila do INSS pra dentro do sistema. Hoje você liga no 135 para fazer uma perícia e vai fazer daqui a quatro ou cinco meses. A fila não está na porta, está dentro do sistema”, explicou o presidente.