SINOP, MT 05 de agosto de 2020

Polícia Militar detém dois dos suspeitos por assalto a banco

Polícia Militar detém dois dos suspeitos por assalto a banco
03/11 2015 21:28 Fonte: DANA CAMPOS Assessoria/ PM-MT Imprimir

A Polícia Militar prendeu dois dos suspeitos pelo assalto ocorrido na agência do Banco do Brasil localizada na Avenida Beira Rio, em Cuiabá. A ação foi nesta terça-feira (03.11) por volta das 11 horas. Dos três suspeitos envolvidos no crime, dois acabaram baleados e presos em flagrante após troca de tiros com a polícia. O terceiro encontra-se foragido.

Durante a ação executada por policiais militares do 1º Batalhão, foi recuperado o malote com aproximadamente R$ 70 mil e apreendidos seis revólveres calibre 38. Três deles foram utilizados pelos criminosos durante o assalto e os outros três haviam sido tomados dos vigias da unidade bancária pelos assaltantes.

Conforme o comandante do 1º BPM, tenente-coronel Edgar Maurício Monteiro Domingues, no momento os policiais faziam a ronda preventiva ostensiva – ação que tem sido reforçada pela operação “Impacto 3”. Foi quando perceberam uma situação suspeita e confirmada por populares de que três homens armados teriam entrado na agência.

A partir das informações, os policiais foram até a unidade bancária – situada ao lado da Universidade de Cuiabá (Unic) – e se depararam com o trio já na saída da agência. Os suspeitos dispararam contra os policiais que, ao revidarem, acertaram dois dos assaltantes.

Um deles, identificado como Natalberth Thiago Gonçalves Moreira, de 22 anos, foi baleado na região do tórax. O segundo, Samuel Lucas Portugal da Silva, de 18, teve mão baleada. Ambos foram encaminhados ao Pronto Socorro da Capital. Após os cuidados médicos, os suspeitos foram conduzidos ao Centro Integrado de Segurança e Cidadania (Cisc).

A PM continua em diligências na tentativa de localizar o terceiro envolvido no assalto. Por volta das 15 horas, um homem com características semelhantes as do foragido foi detido pela Ronda Ostensiva Tática Móvel (Rotam), no bairro Cidade Alta, em Várzea Grande. Porém não foi reconhecido pelas vítimas.